terça-feira, 1 de setembro de 2015

CONTOS DE PRAÇA

Por: Epitácio Germano






   Contos de Praça


Quem conheceu a Praça Joaquim Marinho antes dos meados de junho de 2012, certamente deve concordar que este local aparentemente apenas constituído de concreto, em muito mudou. Isso não apenas pela visão física e ausência do verde das plantas, antes misturadas pela ferrugem amarela do tempo. 
Entre seus canteiros em formas de letras e a famosa calçada ladrilhada pela naturalidade do quartzito, a Praça Joaquim Marinho guarda em sua estrutura lembranças e peculiares histórias para muitas das gerações que ali sorriram em seus momentos de infância e adolescência. Não foi o meu caso, mas, nos poucos bancos que hoje restam, se formaram muitos dos casais várzeenses. 
Alias, namorar em praça pública naquela época era sinônimo de ficar popular no dia seguinte, o nome dos apaixonados com toda certeza não escaparia dos cochichos das esquinas. Nisso tudo, o espaço mais cobiçado era sempre o pergolado, localizado em ponto estratégico, defronte ao coreto que quase não reunia muitas pessoas e ao lado da histórica casa de João Balbina. O pergolado tinha muitas plantas e isso fazia com que o ambiente ficasse escuro, o que tirava a timidez de muita gente que ali ficava. 
De todos esses fatos o mais marcante é a ausência de “cacheado” um funcionário ‘digamos’ voluntário, que independente de dia e horário estava sempre a cuidar da Praça e a prestar algum favor, se caso a ele fosse solicitado. “cacheado” foi um dos filhos ilustres do município que participou da história do país ao trabalhar na construção de Brasília, durante o governo Juscelino Kubitschek – Muitos dizem que o transtorno, pelo qual convivia, foi devido uma queda em uma das estruturas da obra. Recordo-me bem em um de suas conversas, quando dizia repetidamente. “Ah.. Às pessoas dizem que Brasília foi construída por Juscelino Kubitschek, mas, quem a construiu foi o povo que trabalhou – Eu me lembro de tudo”. 
Sobre a política local “cacheado” costumava sempre dizer que: Se o cargo de prefeito fosse ruim, ele seria o prefeito. As histórias dele, em sua maioria contada por muitos que vivenciaram o seu tempo é apenas uma parte deste rico conteúdo folclórico que temos em nossa cidade, algo, formidável que independente do tempo, permanece vivo na memória das muitas gerações.
Entre esses e outros contos, teremos neste espaço, a oportunidade de descrever boas lembranças, um pouco da nossa própria história, história comprida e que merece ser registrada e reconhecida em mérito de nossa gente. Daqueles que contribuíram com o desenvolvimento e também para nós, que compomos parte deste livro escrito pelo tempo e abraçado à saudade de uma cidade.


4 comentários:

  1. Ixe!!...esse pergolado tem história :D Quantas lembranças boas ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos ao amigo pela visita. Realmente, há muitas histórias para contar desse cantinho de praça que fez da vida de muita gente na nossa cidade.

      Excluir
  2. Saudades dessa praça. Lembro que na minha infância e adolescência a praça ficava lotada de pessoas nos finais de semana, pessoas que vinham também das cidades vizinhas, como Ouro Branco e Santa Luzia, no tempo em que a tecnologia ainda não havia facilitado (ou dificultado, não sei) a interação social. Bons tempos!

    ResponderExcluir
  3. Como é bom recordar momentos que, com certeza,ficaram eternizados em nossas memórias.

    ResponderExcluir