sábado, 16 de julho de 2016

FORRÓS NOS SÍTIOS

Forró realizado na comunidade Serrote Preto, no dia 02 de julho de 2016, rememorando a tradição varzeense dos forrós nos sítios
(Arquivo: Maria José Rocha)

Por Rafael Rubens

Não sou exatamente da época áurea de quando os forrós eram realizados nos sítios e comunidades rurais do nosso município. Aliás, nunca fui um exímio forrozeiro, mas sou um adepto das boas memórias, essas que geram nossas crônicas e colorem o preto e branco de nossas saudades. Seria cruel dizer que a tradição dos forrós nos sítios perdeu um pouco de sua força a partir dos anos 80, quando começou a se realizar o João Pedro, nossa já famosa festa que faz a cidade parecer maior no segundo final de semana de julho. Mas talvez não seja só coincidência. Toda a euforia guardada pela população que aguarda julho com ansiedade e divide o ano em antes e depois do João Pedro era antes distribuída pelos recantos enfeitados da zona rural varzeense.
 Cada sítio fazia o forró à sua maneira, atendo-se às suas características familiares e suas peculiaridades de povo. Em vez da pompa arquitetônica do Parque do Juazeiro que comporta até 50 mil pessoas, eram os palanques de cimento queimado na frente de casa ou o chão de barro batido que comportava os forrozeiros de outrora. Logo cedo os terreiros eram cuidadosamente varridos e as anfitriãs da festa davam uma aguadinha providencial no chão para não levantar muita poeira, porque a certeza era de que o forró duraria a noite toda, acabando-se somente quando se avistasse o quebrar da barra no nascente que marcaria o despertar do dia seguinte.
 Em vez das atrações de peso como Calypso, Aviões do Forró e tantas outras que já tocaram em nossa cidade, era o forró pé-de-serra que dava o ritmo da alegria e marcava o tom da simplicidade e da cultura autêntica de nossa gente. Sanfona, zabumba, triângulo e pandeiro eram tudo de que o povo precisava para a animação ser garantida. Tempo bom, tempo de fartura, tempo de sítios povoados. De forrós alumiados pela poesia pálida das lâmpadas de gás.
Naquele tempo a alegria já começava quando as famílias dos sítios circunvizinhos se reuniam para sair em comitiva para a casa dos anfitriões. Todo mundo a pé, banhando-se na claridade fria da lua varzeense e seguindo pelas mesmas veredinhas brancas até o destino do forró, onde as sanfonas já ecoavam seus acordes felizes e contagiantes. Quem vinha da cidade, geralmente fretava caminhonetes, em geral modelos C10 dos anos 60 ou 70, e todo mundo se acomodava nas carrocerias de madeira, tão animados e ansiosos que nem mesmo a poeira das estradas de barro incomodava ou tirava o brilho dos olhos de ninguém.
Dentre os forrós mais tradicionais da época, destacam-se os organizados por Pedro Serafim, Antônio Caboclo e mais tarde Detim, todos no sítio Riacho de Fora, sempre lembrados pela organização, o clima acolhedor e a excelente hospitalidade dos anfitriões. Na comunidade Pedra Dágua, a capital da alegria do povo varzeense, era na casa de Serafim Rocha que se organizavam os melhores forrós. Seu Serafim era homem de muitas amizades, extremamente espirituoso e muitas vezes irônico por natureza. Assim, suas piadas, seu jeito engraçado e sua boa hospitalidade eram um convite a mais para os forrós em sua casa. Conta-se que certa vez em um dos forrós organizados por Seu Serafim Rocha, lá pelo final da festa, Chico Preto, um senhor lá do Serrote Preto que na época era metido a valentão quis bagunçar o coreto e deu um potente murro na mesa para desafiar o dono da casa. Mas Seu Serafim ignorou, homem de boa paz que era. O problema foi que o irmão de Chico Preto, Fabilício, que nunca fizera mal a uma mosca e apresentava deficiências físicas e mentais imitou o gesto do irmão. Seu Serafim observou a cena com seus olhares conhecidamente decididos e disparou: “Nunca mais faço forró na minha casa. Já vi que não tenho mais o respeito de ninguém por aqui. Ora, de Chico Preto eu ainda aguento, mas até Fabilício acha de fazer absurdo no meu forró!” E, pelo que se sabe, o homem cumpriu a palavra...

Claro que as brigas que acabavam muitos desses forrós também ilustram boa parte da crônica. Uma das histórias mais emblemáticas nesse sentido aconteceu em um forró realizado no sítio Trapiá, na casa do senhor Manoel Biléu. Segundo se diz nas narrativas da nossa gente, os forrós realizados na casa de Seu Manoel sempre acabavam em briga. Mas um dia que ele esbravejou e jurou que rasgaria de faca quem atrapalhasse a festa dele. Zé Pompeu, um temido valentão varzeense nos idos dos anos 60 e 70 ficou sabendo da história e combinou com outro para no meio do forró começarem uma briga, e assim o fizeram. O povo da Pedra D'Água conta que eles começaram a brigar e pobre de Seu Manoel Biléu, que nunca foi de briga, correu e foi se esconder em baixo da cama. Então, quando os brigões, cansados de tanta briga se levantaram completamente empoeirados, bateram o pó da roupa dizendo “Ôh vergonha grande pra Mané Bilé!” E a expressão pegou, transformando-se em um dito popular para quem passasse vergonha em nossa terra.
No Xique-Xique, a simpática comunidade localizada pertinho da Serra da Cozinha, além dos grandiosos forrós organizados pela família e que não poderiam deixar de ser mencionados aqui, um espetáculo à parte ficava por conta os leilões apregoados por Galdino, caracterizados pelo bom humor e pela interação com todos. Galdino, aliás, deu nome a um tradicional forró nos anos 80 e 90 realizado na fazenda Quixaba, então propriedade do ex-prefeito de nossa cidade Mário Pergentino, num trocadilho com o nome da festa de “João Pedro”, a grande festa que nascia e batizava-se a partir da junção dos dois santos juninos, mas que também tinha o mesmo nome de um conhecido e simpático irmão de Galdino da fazenda Xique-Xique. Mas isso já é outra história e certamente será contada depois, porque, como sabemos, a história de Várzea é comprida para se contar de um fôlego só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário