terça-feira, 7 de julho de 2020

CRÔNICAS DE CORETO





Por Rafael Rubens

A primeira coisa que o escritor colombiano Gabriel Garcia Márquez diz em sua última obra, “Viver para contar” é: “a vida não é a que a gente viveu e sim a que a gente recorda, e como recorda para contá-la.” É uma frase forte, contundente. Mas ilustra muito bem o sentimento que todos nós temos quando nos damos a refletir sobre o curso nossas vidas, sobretudo a parte que ficou para trás e só a enxergamos no cantinho do retrovisor. Lembrar é viver pela segunda vez, principalmente quando a lembrança é dourada pela cor da saudade, por isso é tão importante que conservemos vivas e indestrutíveis as nossas melhores memórias.
Certamente é assim que se sente todo varzeense se sente ao pousar os olhos em alguma fotografia do passado e se deixar teletransportar para alguma fresta do tempo-espaço de sua própria história. Várzea tem, conforme o dito popular, “uma história comprida” e uma memória contada pelas ruas e por cada construção edificada desde os seus primórdios ainda no século XIX. Particularmente sempre considerei entre todos os prédios da cidade o Coreto que fica em frente à Igreja Católica de São Francisco o coração do centro da cidade. Mais até do que a praça Joaquim Marinho. O coreto, dotado de uma beleza singela, quase despretensiosa, tem em si um pouco de cada varzeense, seja o adulto que se sentou por lá para descansar as pernas ou a criança que fez sua infância valer a pena inventando uma nova brincadeira por ali.
Construído em 1985 na gestão do prefeito Babá Batista, o coreto municipal sempre chamou a atenção pela sua arquitetura simples e original, bem como pelo ponto estratégico onde foi erguido: entre a praça Francisco Pergentino e a Igreja Católica de São Francisco. O local era o point favorito daqueles, sobretudo os homens, que não chegavam a tempo de achar assentos vagos na igreja, mas não queriam perder as palavras do vigário e assim assistiam às missas ao ar livre, com os rostos acariciados pela brisa sertaneja que vinha do leste. O coreto sempre representou bem o abraço entre a fé da igreja e a alegria da praça, por isso era o palco ideal para se organizar os presépios natalinos em dezembro ou receber apresentações de fanfarras e gincanas escolares.
Basicamente todos têm alguma história para contar, passada embaixo daquela laje solitária que é amparada pelas suas doze pilastras de sustentação. Alguém já se amparou de uma chuva desavisada por ali, algum casal de namorados porventura já confessou juras de amor em uma noite tranquila testemunhados apenas pelo busto histórico de Francisco Pergentino que fica logo no pezinho do coreto.
Entre os anos 80, 90 e 2000 os meninos da cidade transformavam o cimento queimado do coreto no teatro de suas criatividades e eram abundantes as brincadeiras de barra-bandeira, matada e futebol de travinha naquele local. Os mais espertos já sabiam que precisavam tomar todo o cuidado do mundo porque o delegado e os representantes do juizado de menores sempre apareciam por lá para acabar com a festa da gurizada traquina, confiscando as bolas e os chinelos dos meninos. Não raro um menino voltava para casa de pés descalços no calçamento quente porque dera um vacilo de deixar justamente as suas como baliza para as traves do futebol improvisado e ao se dar conta da presença do delegado saiu em disparada esquecendo os chinelos para confisco fácil da severa lei municipal.
Era comum também ver jovens e adolescentes abraçados nas pilastras brincando de pão quente, que é como se denomina um jogo de ocupação de espaços muito comum entre os varzeenses. Consistia basicamente em dominar o território de cada pilastra enquanto um integrante do jogo ficava no meio do coreto até alguém gritar “pão quente!” e todos tinham de mudar de posição, intervalo justamente em que o jogador que estava no meio tentava tomar a vaga de alguém que vacilasse na hora de mudar de pilastra. Havia turmas de amigos que consumiam boa parte das noites jogando pão quente e nunca é demais suspeitar que algumas paqueras começaram por ali.
O tempo passa e as histórias vão ficando a tecer a memória daqueles que vivenciaram suas próprias aventuras no coreto municipal, que, silencioso e imponente, segue compondo a paisagem do mesmo local em um frequente colecionar de saudades, fazendo cada varzeense perceber por si mesmo a importância da história bem como de todos os seus atores. Cabe, portanto, indagar: o que seria do artista sem o palco? Nesse contexto, o coreto foi palco de todos nós e é nossa responsabilidade que ele o continue sendo para que as gerações futuras também imprimam por lá suas próprias narrativas. Afinal, como bem disse outro escritor, dessa vez o português José Saramago, “somos a memória que temos e a responsabilidade que assumimos. Sem memória não existimos, sem responsabilidade talvez não mereçamos existir.”



7 comentários:

  1. Parabéns pelo belo texto, além de muito bem redigido é capaz de nos fazer voltar no tempo. Recordei de muitos momentos simples e felizes que vivi no coreto, em especial ter tocado na filarmônica ao lado do meu pai.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso e primoroso! Simples assim! Parabéns, você é formidável.

    ResponderExcluir
  3. Várzea merece muito mais do que tem. Já passou da hora de dizer BASTA!

    ResponderExcluir
  4. Simples um palavra só Rafael " gênio " 👏🏼👏🏼👏🏼

    ResponderExcluir
  5. Belo texto meu amigo Rafael Medeiros

    ResponderExcluir
  6. Antonio Medeiros8 de julho de 2020 12:38

    É isso aí. Esse texto diz o que os varzeenses pensam. Viva o coreto municipal, símbolo cultural da gente.

    ResponderExcluir
  7. Eu me vi correndo,brincando e sorrindo entre essas palavras... podem até derrubar, mas não conseguirão apagar da minha memória

    ResponderExcluir